PURO-IMPURO

Puro e impuro são noções encontradas quase em todas as religiões antigas e povos primitivos. Não se trata de pureza física, moral ou de castidade. Impuro é o que está carregado de forças perigosas ou pode desencadeá-las, e por isso deve ser evitado. A impureza não significa, pois, culpabilidade ou pecado; por exemplo, a mulher após o parto ou durante a menstruação é considerada impura; tocar um morto, estar atacado por certas doenças ( “lepra”) torna a pessoa impura.

Certos animais ou alimentos de origem agrícola são considerados impuros e por isso rejeitados pela cultura nômade da qual provinham os israelitas. Assim os animais elencados em Lv 11,29s são considerados impuros pois tinham um papel no culto cananeu; o porco era impuro porque era usado no culto de Adônis-Tamuz. Tais proibições visavam evitar misturas e manter a integridade. Por isso também animais ou coisas híbridas deviam ser evitados (Lv 18,23; 19,19). O motivo original de tais práticas podia ser um simples tabu. Mas, no contexto atual, Israel deve evitar certos alimentos e atos que o tornam impuro, porque impedem de participar no culto divino (Lv 11,1-47).

Jesus criticou este conceito de pureza ritualística e meramente exterior (Mt 23,25s), mostrando que o que torna impuro o homem não são as coisas que vêm de fora, mas o que procede do coração: os maus pensamentos que levam ao pecado (Mc 7,15-23). Ver as notas em Lv 12,1-8; 14,33-53; 15,1-33.

Livros recomendados

Visite a livraria

image

Sócrates Encontra Marx

image

A Grande Mentira – Lula e o Patrimonialismo Petista

image

Imitação de Cristo

image

A Fé da Igreja – Em que Deve Crer o Cristão de Hoje